terça-feira, 26 de maio de 2009

Perspectivas diferentes?

Há pessoas que criticam, criticam e criticam os outros, esquecem-se de olhar para si mesmas e verem como actuam... (não sou nenhuma santa, já me aconteceu e não uma vez só !)
Se repararem bem fazem(os) muitas vezes o que criticam(os) nos outros, só que vá-se lá saber porquê quando é a vez delas (nossa) deixa de ser criticável.
A perspectiva muda e nessa altura já é permitido?
Sim, porque o mundo gira à volta do umbigo de uns e umas...
Estará esta forma de vida relacionada com a(s) verdade(s) que podem não ser só uma?

7 comentários:

Nirvana disse...

É muito fácil falar dos outros, criticar, tudo com base no que é bem, no que é bonito de se dizer ou fazer. Falar, mesmo sem se ter conhecimento do contexto das situações.
Quando toca à própria pessoa, tudo pode ser contextualizado e desculpado, porque todas as acções têm um contexto e uma desculpa.
E, no meio disto, fica a coerência, ou melhor, a falta dela.
É mais fácil criticar o outro e não ter de enfrentar o "eu".
Bjks

Pés disse...

Não será mais fácil criticar os outros que nós próprios? Não será mais fácil ver nos outros os nossos proprios defeitos?
Isso e muita gente com problemas de comportamento narcisico!
Abraços
Pés

pensamentosametro disse...

Nem mais. Não acrescentaria uma palavra.


Bjo



Tita

Ela disse...

Sim é verdade...aconteceu comigo:) e eu hoje vejo tudo o que criticou está a fazer =...é a vida eheh

Cai de Costas disse...

A verdade não existe.

mimanora disse...

Nirvana, pois é!

Pés, há um ditado que talvez seja adequado: "Faz o que eu digo não faças o que eu faço".

Tita :)

Ela, acho que acontece com todos, deveíamos era tentar corrigir isso.

Cai de Costas,talvez não exista;)

Matrix disse...

A falta de paciencia aliada à falta de tolerancia levam invariávelmente à critica!
Quem já esteve/viveu nos limites ganha um poder de tolerância e paciencia com os outros... afinal a desilusão com eles nunca é grande, pois ficam a milhas daquilo que é o nosso 100% de desilusão!
Tudo é relativo!
Cada vez menos condeno os outros, e as "pequenas" coisas já nem as sinto!